Eco-engenharia

O labor de uma vida na área da mobilidade elétrica.

E de elétrico. E de engenharia. E de Eva. Quando falamos de mobilidade elétrica, a engenharia não pode ser evitada, nem Eva Håkansson. Formada em engenharia mecânica, Eva trabalha afincadamente para promover a mobilidade elétrica. Por razões de sustentabilidade.

Não houve um "momento Eureka". A sustentabilidade acompanha-me desde o berço. Tinha consciência disto. Para mim sempre foi óbvio, foi natural.

Eva Håkansson

É a sua primeira vez em Berlim. Tem cinco horas para passear sob o céu azul da cidade. Mas Eva Håkansson anda, literalmente, de skate em volta do Portão de Brandenburgo e da Coluna da Vitória e depois conduz até Spandau. A engenheira sueca optou antes por ir visitar a fábrica da BMW Motorrad, estando especialmente interessada na linha de montagem da Maxi-Scooter elétrica da BMW, a C evolution. Este não é um lugar de passeio comum. Mas Eva Håkansson nunca tentou ser como o resto das pessoas. Pelo contrário, tem tendência para ser o peixe que nada contra a corrente.

Aos 27 anos de idade, apresentou ao parlamento sueco a sua moto elétrica feita em casa. Mas tarde, bateu o recorde de motociclista mais rápida do mundo na sua moto aerodinâmica elétrica, recorde que, aliás, ainda não foi ultrapassado por mais ninguém. Em breve, a engenheira vai obter a sua licença de piloto. Não propriamente para voar, mas antes para continuar a desenvolver a mobilidade elétrica nos transportes aéreos. E assim fez em Berlim o que costuma fazer: expandir continuamente os seus conhecimentos inigualáveis em e-mobilidade e desenvolver atividades educativas em painéis de debate sobre a mobilidade do futuro.

+ Leia mais

Mobilidade do passado

"Ver as vistas" na fábrica da BMW Motorrad em Berlim.

Não, os veículos elétricos não são realmente uma novidade. Já existiam antes de o primeiro motor de combustão ter sido inventado há muitos anos. Trouvé apresentou o primeiro veículo elétrico oficialmente reconhecido em 1881, na Exposition d'Électricité em Paris. Este deslocava-se a 12 km/h, com uma autonomia entre 14 e 26 quilómetros. Nos EUA, por volta de 1900, a maioria dos transportes eram elétricos, a invenção do motor de arranque elétrico e o aumento da produção de petróleo a nível mundial fez surgir em breve o motor de combustão. Passados dez anos, o carro elétrico praticamente tinha desaparecido das estradas e só voltaria a surgir à baila em associação com a poluição atmosférica, a sustentabilidade e as alterações climáticas.

+ Leia mais

Teste sentada na BMW C evolution.

No entanto, Eva Håkansson envolveu-se nesta área mais cedo do que o normal. Para sermos precisos, desde o seu nascimento, em 1981. O seu pai desenvolvia scooters elétricas nos anos setenta, passando mais tarde a dedicar-se às motos de "e-racing" energeticamente eficientes e ao primeiro protótipo de moto elétrica. Eva cresceu rodeada de veículos elétricos. Quando o seu irmão mais velho ganhou um prémio de jovem talento, aos 16 anos, pelo carro híbrido artesanal que tinha criado, a ambição de Eva foi despertada. Passou a investir o seu tempo em projetos científicos e ganhou vários prémios. Aos 19 anos, representou a Suécia na Science and Engineering Fair em Detroit, EUA, e mais tarde ganhou o Science Symposium em Londres. Seguiram-se inúmeros prémios, o mais recente dos quais o Signs Award, em que Eva foi distinguida pelo Príncipe Leopoldo da Baviera na categoria "Paixão pela comunicação".

+ Leia mais

Aceleração e emoção

O saber nunca é demais: Eva inspira a BMW C evolution na linha de produção.    


O ex-piloto ficou impressionado com a dedicação apaixonada de Eva, mas sobretudo com a velocidade que ela conseguiu obter de um veículo elétrico. Bonneville Salt Flats, Utah. Com a sua moto aerodinâmica elétrica artesanal, Eva Håkansson competiu contra excêntricos amantes da velocidade no Grande Lago Salgado e estabeleceu um recorde em 2014. Desde então é considerada a motociclista mais rápida do mundo. O que procura não é tanto a adrenalina associada à velocidade, mas antes a emoção associada ao desempenho da engenharia. Eva construiu o seu próprio veículo, dedicando horas sem fim, passando por muitas lutas e sacrifícios. Concebeu-o e desenvolveu-o usando todos os seus conhecimentos. "Tenho uma necessidade de experimentar coisas que nunca ninguém experimentou antes. É incrivelmente gratificante desafiar os limites da tecnologia e as minhas próprias capacidades".

+ Leia mais

"Quem gosta de aceleração vai adorar os veículos elétricos", afirma Eva Håkansson.

Quando Eva chega aos limites da tecnologia e bate records, é notada – e é mesmo isso que pretende. O seu plano é usar a atenção que desperta para lutar pelo labor da sua vida, podemos chamá-lo assim sem hesitação. "Quer mostrar que os veículos elétricos podem ser rápidos e sexy. A decisão de compra é movida por emoções. Logo, os veículos elétricos têm de se tornar um símbolo de status e ao mesmo tempo parecerem inteligentes – nessa altura as pessoas irão comprá-los. Se quisermos continuar a viver neste planeta, temos de agir. Para mim a tendência é rumo a uma condução autónoma. E a este nível nada funciona melhor do que os veículos elétricos, porque são fáceis de controlar".

+ Leia mais
Trabalhar pela noite fora e ver a ideia a desenvolver-se. Surge na minha cabeça, implemento-a com as minhas mãos e vejo-a a tomar forma.

Eva Håkansson

C Evolution

Urban Mobility

Saber mais

Veio para ficar

Eva é conhecida pelos seus discursos apaixonados em torno do tópico da mobilidade elétrica, também designada de e-mobilidade.

Depois dos altos e baixos por que o veículo elétrico passou ao longo da última década, o desenvolvimento da bateria de lítio para o telemóvel foi o impulso decisivo para o avanço da e-mobilidade. A discussão sobre questões totalmente novas relacionadas com o ambiente tornou-se simples, tem a ver com a eliminação das baterias ou de onde vem a energia usada para alimentar os veículos. Não obstante, Eva tem a certeza: "a mobilidade elétrica veio para ficar". Já tinha chegado a esta conclusão em 2005 enquanto escrevia a sua tese de licenciatura em ciência ambiental, seguida de uma tese de mestrado e de doutoramento em engenharia mecânica.

+ Leia mais

"A e-mobilidade não é o futuro, mas sim o presente e veio para ficar", afirma Eva Håkansson.

"Os veículos elétricos são imbatíveis em termos tecnológicos: são fenomenalmente eficientes, silenciosos, isentos de emissões e não dependem de uma única fonte energética. Para o veículo não importa (e para o consumidor também não) se a eletricidade é gerada a partir de energia solar ou energia hidroelétrica. Logo, não é afetado por mudanças". Esta é a razão por que participa em painéis de debate como oradora, em frente de audiências formadas por leigos e especialistas. O desenvolvimento avança à máxima velocidade e Eva está no centro dos acontecimentos. Ela acredita que o momento mais importante na evolução da mobilidade elétrica é iminente – e que quer fazer parte dele. "Só temos este planeta. É pura convicção moral que estamos a fazer o que está certo".

+ Leia mais
Mais histórias que poderão interessar-te.